Situada numa aprazível rua de 
Santa Teresa, Rio de Janeiro, a CASA DO SINO 
abre suas portas, desde agosto de 2008, para trabalhar 
Literatura & Filosofia, em pequenos grupos de estudo.
O projeto tem como objetivo se tornar um núcleo propulsor de 
novas frentes de pensamento. Para isso se inspira nas obras de Gilles 
Deleuze e Virginia Woolf e na prática do filósofo Claudio Ulpiano. 
Saiba mais em apresentação, mas antes toque o sino!  
ALUNOS UFRJ: Lit. Inglesa ii e LIT AMERICANA ii (HOSPEDAGEM PROVISÓRIA 2011-2)

SOBRE O SINO DA CASA

Poucos objetos têm o poder de esgarçar o tempo presente e fazer irromper, de dentro dele, memórias ou sensações de um outro tempo.

Por outro tempo não se entende apenas o passado.

Qualquer tempo que se diferencie do presente, pela natureza e velocidade de seus processos, já é outro tempo.

O sino tem esse poder.

Ele evoca tempos mais lentos, de processos artesanais ou manuais, analógicos e pré-digitais.

Tempos de construções coletivas do saber e de trocas presenciais.

Na torre de uma igreja – mudo ou em atividade – um sino pode passar desapercebido.

Na porta de uma casa – num tempo em que câmeras, interfones e senhas nos vigiam e espreitam – um sino produz estranhamento.

E também encanta.

O sino de nossa casa chama, conclama, anuncia uma chegada.

Convoca e reúne, não para uma cerimônia religiosa, mas para um encontro em torno de uma causa, a causa do pensamento criador.

 

ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES (em 01.01.12)

• reabertura da biblioteca

relatórios do sub-plano 2 (em curso)

novas produções do grupo de estudos

X