estudos> os sub-planos

os sub-planos

o plano-base na prática

 

Como seria de se esperar dentro da proposta construcionista que estamos desenvolvendo, acontece com freqüência de "passearmos fora dos trilhos programados".

Entendemos bondinho de Sta Teresapor "trilhos programados" o percurso estrito do plano principal, isto é, a leitura exclusiva dos dois textos condutores do plano-base

São estas expedições para fora dos trilhos - os nossos sub-planos de estudo - que marcam o diferencial entre as propostas da CASA DO SINO e aquelas desenvolvidas nas academias.

Sem a pressa, nem a pressão, nem a competitividade que caracterizam o ambiente acadêmico voltado para a super-especialização acelerada, os participantes vão construindo bases, lançando pontes e se fortalecendo com os exemplos dos pensamentos criadores.

continua

expedições para "fora dos trilhos"

 

Conforme o exposto no plano base, o texto-condutor de Deleuze, O QUE É A FILOSOFIA, faz inúmeras remissões externas, que atuam como exemplos deflagradores.

Como decorrência, duas expedições ou sub-planos de estudo já foram produzidos, até o momento. 

Por unanimidade absoluta, os participantes decidiram visitar  a História da Filosofia Antiga e, em seguida, a cultura da Grécia Antiga. 

Este desvio não surpreende. 

Afinal, o abandono dos estudos clássicos e da filosofia dentro dos currículos secundários e terciários brasileiros é responsável pelos maiores fossos inter-curriculares e inter-disciplinares na formação dos profissionais em nosso país. 

Sem tal estofo sobre os fundamentos da cultura ocidental, é simplesmente impossível apreciar as inovações mais progressistas do pensamento contemporâneo, pois os gregos já estavam lá, no que se refere a muitas "inovações" e "descobertas" de nossa época.

Os dois sub-planos produzidos até agora foram: 

1. OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS (ENCERRADO)
Este sub-plano foi devidamente "encerrado" (para nossos objetivos) com as apresentações dos 4 membros do grupo de estudos no III Seminário de Filosofia Antiga:  Os Pré-socràticos e suas influências, realizado na UERJ, entre 11 e 14 de maio de 2009, pelo Laboratório NOESIS de Filosofia Antiga.  Saiba mais em III.  nOESIS.
2. A GRÉCIA E A FILOSOFIA (ENCERRADO)
Este sub-plano surgiu em decorrência do desejo de entender as condições de possibilidade para o surgimento da Filosofia na Grécia Antiga.  Encontra-se em curso, no momento.
 

Quando tivermos encerrado estes dois sub-planos, voltaremos aos textos-condutores, para avançar em suas propostas.  Para não perdermos de vista o norteamento de nosso plano-base, usamos um percurso ilustrado que mostra visualmente as noções de "trilhos" e "rotas de excursões". 

continua

1. os filósofos pré-socráticos

A orientadora considerou oportuno o pedido de visitar a História da Filosofia, desde que mantivéssemos o foco no caráter criador dos filósofos a serem estudados. Por tal motivo, ela sugeriu um passeio pelos pré-socráticos, guiado pela leitura de Nietzsche.

Os principais motivos desta escolha foram três:

1. oferecer a possibilidade de contato com pensamentos pioneiros
os filósofos pré-socráticos foram aqueles que, de fato, criaram os primeiros discursos filosóficos no ocidente, realizando a passagem do mito à filosofia
2. reforçar os argumentos construcionistas de Deleuze
já que veríamos pensamentos se estruturarem, a partir de discursos que os antecediam, mas criando novos conceitos
3. fornecer um ponto de partida para a história da Filosofia

 

a leitura nietzscheana dos pré-socráticos

A leitura que Nietzsche (em sua juventude) faz dos pré-socráticos é considerada hoje como a principal alternativa para o crivo de base aristotélica que perdura na abordagem destes filósofos.  Este crivo torna os pré-socráticos filósofos menores, meros antecessores de Platâo e Aristóteles.

Já a abordagem nietzscheana se faz por outro viés.  Nietzsche tenta restituir, dentro do possível, a perplexidade e a audácia daqueles primeiros pensadores, e daí, sua importância. 

Apesar de privilegiarmos a abordagem de Nietzsche, tivemos a cautela de não perder de vista certas relativizações e comparações. 

Isso se refletiu em nossa produção apresentada durante o evento III Seminário de Filosofia Antiga: Os Pré-socráticos e suas influências, ocorrido na UERJ e promovido pelo Laboratório NOESIS de Filosofia Antiga.

 

os filósofos estudados

Durante quase um ano, o grupo conviveu com esses pensadores, que produziram grande admiração e inspiração.

Foram eles (datas antes de Cristo):

  • Tales de Mileto (624-548)
  • Anaximandro Mileto (611-548)
  • Xenófanes de Cólofon (570-460)
  • Pitágoras de Samos (570-496?)
  • Parmênides de Eléia (530-460)
  • Zenão de Eléia (495-430)
  • Heráclito de Éfeso (540-470)
  • Empédocles de Agripento (495-430)
  • Anaxágoras (500-428)
  • Leucipo de Mileto (500-430 )
  • Demócrito (460-370)

 

continua

2. a Grécia e a Filosofia

 

A leitura de base nietzscheana que foi feita dos pré-socráticos instigou em todos o desejo de conhecer melhor o solo grego antigo, "que teve como uma de suas mais belas plantas, a filosofia". 

Isso se evidenciou nos seminários de contextualização no fim de 2008, em que Elisa apresentou um panorama da mitologia , Tarso estudou as artes da Grécia Arcaica e Ilson nos trouxe as manifestações artísticas da Grécia Clássica.  (Todos dentro em PRODUÇÃO > Grécia e Filosofia)

Como decorrência da mesma instigação,todos também expressaram o desejo de trabalhar pelo menos uma tragédia e outra obra literária de envergadura.

Como projeto, por ora individual, Vera está se dedicando a reler a Ilíada e apresenta um resumo semanal de cada canto.

 

 

<< página anterior | - | próxima página >>